Rio de Janeiro, 20 de dezembro de 2023

Nesta quarta-feira, a Polícia Federal (PF) deflagrou uma operação com o cumprimento de três mandados de busca e apreensão, revelando um esquema de corrupção e lavagem de dinheiro em quatro projetos sociais no estado do Rio de Janeiro. A ação, que ocorreu nos projetos Novo Olhar, Rio Cidadão, Agente Social e Qualimóvel, referentes aos anos de 2017 a 2020, desvendou uma trama criminosa que envolvia pagamento de propina em contratos e direcionamento dos projetos para redutos eleitorais.

As investigações da PF identificaram que a organização criminosa infiltrou-se nos setores públicos assistenciais, fraudando licitações e contratos. O esquema abrangia desvio de verbas públicas e pagamento de propina aos envolvidos, totalizando valores entre 5% e 25% do montante dos contratos na área de assistência social, alcançando mais de R$ 70 milhões.

Os projetos sociais em questão, como Novo Olhar, Rio Cidadão, Agente Social e Qualimóvel, foram alvos de uma operação anterior, denominada Catarata, conduzida pelo Ministério Público Estadual e pela Polícia Civil em 2019. Naquela ocasião, as investigações já apontavam para a utilização dos mesmos projetos como meio para fraudes em licitações entre os anos de 2013 e 2018.

A PF não especificou se as fraudes ocorriam na prefeitura do Rio de Janeiro ou no governo do estado, ressaltando que as investigações estão sob sigilo. O esforço conjunto das autoridades visa desmantelar organizações criminosas que se infiltram nos setores públicos, comprometendo a eficácia dos projetos sociais e causando prejuízos significativos aos cofres públicos.

A população aguarda ansiosa por mais detalhes e desdobramentos desta operação, que busca trazer à luz a verdade por trás desses casos de corrupção que impactam diretamente a efetividade dos programas destinados ao bem-estar da comunidade.

Fonte: Agência Brasil